Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Growing Tree

Esquecer as preocupações,ficar imerso no momento. Capturar a variedade de emoções e amor do mundo em nosso redor. Capturar a essência das coisas,uma sensação e não uma aparência,emoçoes.

A Growing Tree

Esquecer as preocupações,ficar imerso no momento. Capturar a variedade de emoções e amor do mundo em nosso redor. Capturar a essência das coisas,uma sensação e não uma aparência,emoçoes.

25.07.21

Alguma vez pensaste??....


Kika

Quando um amigo, colega ou familiar começa a agir de forma diferente, a parecer distante, a parecer desinteressado, é muito fácil presumir que o seu comportamento tem a ver contigo e não com a pessoa.

Podes pensar que essa pessoa não está interessada na tua vida, em manter o contacto, em manter a amizade, ou até podes mesmo pensar que fizeste algo de errado e nem deste conta. As suas redes sociais podem mostrar fotografias fantásticas, rostos sorrindo, citações profundas de felicidade... Mas já pensaste que, a ação de se afastar, de não aparecer para as jantaradas, desmarcar encontros, pode ser um sinal de que está a sofrer e que precisa do teu apoio?....

Pode ser estranho ou até mesmo um incómodo tentar chegar junto de uma pessoa que aparentemente não quer estar contigo, mas deves pensar numa coisa: Ignorar esses comportamentos, focar a atenção em ti e não na pessoa, pode ser um grande erro.

O simples ato de perguntar como vão as coisas, pode ter um efeito poderoso. Um simples abraço, um olhar nos olhos dessa pessoa e dizer «Eu estou aqui. Tu importas.» pode ser a atitude que muda o rumo da vida dessa pessoa.

A pessoa com depressão não se afasta porque quer, a pessoa com depressão não se fecha em casa ou cancela encontros porque quer. Essa pessoa está a sofrer.

Podem ser problemas pessoais, problemas familiares, pode ser uma miríade de coisas por o que essa pessoa esta a passar, mas que há algo que a impede de falar, de pedir ajuda, de suportar.

Não falo por já ter feito esse «percurso» e todos os dias ter que lidar com os monstros do passado, os problemas do presente e a ansiedade do futuro, mas por ver tantas pessoas a passar pelo mesmo, por ver a ignorância nas atitudes e a facilidade com que as pessoas presumem que a melhor resposta é ignorar.

Por muito que se fale no assunto, ainda encontro muito desconhecimento, ainda vejo muito egoísmo, ainda ouço palavras ditas de forma inconsciente e que, para uma pessoa que esteja frágil, pode ser o que leva a escolher o caminho «errado» na encruzilhada em que se encontra.

Já ouvi de tudo:

Tens é que sair e te divertir com os amigos que isso passa. (...) Deixa de ser uma chata e vem sair. (...) Nem acredito que disseste que vinhas e agora estás a «cortar-te»... (...) Deixa de pensar nisso que ficas bem. (...)

Já ouvi de tudo de profissionais de saúde, de familiares, de conhecidos, de colegas…

Não, não é por sair e divertir com os amigos que os problemas passam, não é por deixar de pensar no assunto que fico bem, não faltei a um compromisso por simplesmente não me apetecer ir.

Há sempre uma razão.

E os teus verdadeiros amigos, a tua verdadeira família, esses sim, são as pessoas com que podes contar e que te ajudarão em tudo e farão de tudo para te ver bem.

Não vou dizer que é fácil, pois não é. Não vou dizer que há formas diretas e rápidas de tratar esta doença, porque não há. O que serve para mim não serve para ti.

Infelizmente é um percurso, uma aprendizagem, uma reformulação da tua maneira de ser, de pensar, de viver. É um caminho que cada um tem de percorrer e, durante a jornada, encontrar as ferramentas para lidar com os sentimentos, com os demónios, os problemas, tudo o que levou até a encruzilhada que te encontras e aí fazer as escolhas acertadas para ti, e por ti vais chegar a bom porto.

Tu és importante para o mundo.

Eu vejo-te e estou aqui por ti.

Tu és indispensável.